A Terra das Araras Vermelhas

a_terra_das_araras
Título: A Terra das Araras Vermelhas
Autor: Roger Feraudy
Coautor: Sem coautor
Formato: 14x21cm
Páginas: 352
Categoria:
Capa: 4 cores (Laminação fosca)
Acabamento: Cola PUR
ISBN: 85-7618-115-0
Edição:
Lançamento: Janeiro de 2007
Preço: R$ 55,00


Quero comprar este livro.

Sinopse: A Atlântida existiu!
Foi a Terra-Mãe de civilizações como a indú, a egípcia, a grega, os árias, os incas, maias e astecas, os peles-vermelhas americanos etc.
E se ficássemos sabendo que legítimo sangue atlante original corre nas veias físicas e espirituais do povo brasileiro? E que povos da Atlântida se estabeleceram um dia no território brasileiro e terminaram originando nações que hoje conhecemos como culturas indígenas brasileiras?
Lendo diretamente os registros espirituais de tempos remotos, o autor desta fascinante história, verídica em todos os detalhes, levanta o véu da História não contada da terra brasileira, e nos leva a conhecer intimamente a vida da colônia atlante estabelecida há 40.000 anos no litoral do Estado do Espírito Santo.
Uma narrativa intensa e vívida, tecida com os fios de vários dramas de fascinantes personagens que construíram o destino da Terra das Araras Vermelhas.
Uma história apaixonante, que irá seduzir o leitor pela riqueza de informações inéditas sobre a história remota e ignorada do Brasil, e a herança atlante que pode ser reconhecida em diversos caracteres psíquicos do povo brasileiro. E cativá-lo com a trama envolvente que reuniu muitos destinos num drama de amor e morte, espiritualidade e forças mágicas, paixões e intrigas, lutas de poder, generosidade e renúncia, heroísmo e grandeza.
“A Terra das Araras Vermelhas” é um romance ancestral e uma revelação inédita. Raras obras resultantes de pesquisa psíquica do passado podem igualar-se a riqueza, precisão e beleza dessa narrativa, que retrata a magia do povo atlante.


Conheça mais sobre esta obra clicando aqui.

Compartilhe:

  

Você também poderá gostar de:

  Jardineiro_g  ocontador_g  erg  Cyrne_g 


Era uma vez um espírita

Paz e Amor, Bicho!