O Gênio Celta e o Mundo Invisível

o_genio_02
Título: O Gênio Celta e o Mundo Invisível
Autor: Léon Denis
Coautor: Sem coautor
Formato: 14x21cm
Páginas: 202
Categoria:
Capa: 4 cores (Laminação fosca)
Acabamento: Cola PUR
ISBN: 978-85-7618-337-2
Edição: 1
Lançamento: Janeiro de 2015
Preço: R$ 50,00


Quero comprar este livro.

Sinopse: Os celtas se destacaram dentre todos os povos europeus por suas crenças espirituais. Convictos da imortalidade e da reencarnação, iam para as batalhas como para uma festa, sem temer a morte, que sabiam não existir. Seus sacerdotes, os druidas, possuíam conhecimentos iniciáticos elevados sobre a evolução da alma, os planos da existência, os astros e o Cosmo, que coincidem com a tradição da Sabedoria Oculta, inclusive na concepção do Deus único e da Lei do Carma.
Não por acaso povoaram a Gália, e nela deixaram as sementes profundas dessas crenças, as energias imponderáveis de seus ritos sagrados, e a tradição mediúnica de suas sacerdotisas afeitas ao contato com o Além.
Era a preparação para a futura chegada do espiritismo, cujos primeiros seguidores foram, na França, os antigos adeptos da doutrina céltica, que já traziam na alma a convicção das Leis Eternas que a doutrina dos espíritos veio restabelecer. Também por isso o Codificador adotou seu antigo nome druídico de Allan Kardec – o druida-chefe, pontífice máximo de um povo.
Esta obra de Léon Denis traz uma visão panorâmica de tudo isso, da cultura desse povo extraordinário, com sua crença no invisível que perdura até hoje nas tradições antigas que ficaram, mostrando que a França é, sim, gaulesa em seus fundamentos, em sua tradição democrática, propondo o resgate dessa tradição espiritual extraordinária, revivida pelo espiritismo.
Integra a obra uma coleção de mensagens do próprio Kardec, recebidas no grupo de Léon Denis, sobre o tema do celtismo, bem como uma comunicação de Joana d’Arc.


Conheça mais sobre esta obra clicando aqui.

Compartilhe:

  

Você também poderá gostar de:

  omieag_02  oproblema_02  na_oficianaa_02  a-vida 


Era uma vez um espírita

Paz e Amor, Bicho!