A Realidade dos Espíritos

Título: A Realidade dos Espíritos
Autor: Barão Luís de Guldenstubbé
Coautor: Sem coautor
Formato: 14x21cm
Páginas: 256
Categoria:
Capa: 4 cores (Laminação fosca)
Acabamento: Cola PUR
ISBN: 9788576184638
Edição:
Lançamento: Dezembro de 2018
Preço: R$ 35,00


Quero comprar este livro.

Sinopse: Escrito em 1856-57, este livro traz uma das mais completas abordagens sobre o que se denominou Pneumatologia Positiva, isto é, o estudo dos espíritos por meio de suas manifestações diretas, objetivas. O autor reúne, talvez, o mais interessante material já entregue ao público referente a manifestações espirituais: são imagens reproduzidas (fac-simile) de escritos e desenhos feitos diretamente pelos espíritos sobre o papel, sem o recurso da “psicografia”. A ampla pesquisa feita nas filosofias e religiões, desde a Antiguidade, visa à atestação da realidade espiritual em todas as épocas, por testemunhos irrecusáveis de autores insuspeitos. Esta obra, como um todo, forma um grande compêndio factual e testemunhal de fenômenos espirituais diretos, de todas as épocas. Ela tem, por certo, para o estudo do espírito e de suas manifestações, um valor inestimável. É precisamente por essa razão, mais que por qualquer outra, que Allan Kardec a recomendou como “obra complementar da Doutrina”, em seu Catálogo Racional para se Fundar uma Biblioteca Espírita, visto que traz abundante material para estudo e demonstração da realidade dos espíritos.
Luiz Gustavo O. dos Santos

“Quaisquer que sejam os resultados obtidos em diversas épocas, é apenas desde a vulgarização das manifestações espíritas que se trata seriamente da escrita direta. O primeiro que parece tê-la feito conhecer em Paris, nesses últimos anos, é o Sr. Barão de Guldenstubbé, que publicou sobre este assunto uma obra muito interessante, contendo um grande número de fac-simile das escritas que obteve”.
Allan Kardec, O Livro dos Médiuns, liv. II, cap. 12.


Conheça mais sobre esta obra clicando aqui.

Compartilhe:

  

Você também poderá gostar de:

         


Era uma vez um espírita

Paz e Amor, Bicho!